Como escolher uma lâmpada LED?

Faça Você Mesmo

O que é um LED? 

Não, não é chumbo em inglês ….  nem um grande conjunto de Rock dos anos 70 …. rsrsrs ….

Por definição, LED é um diodo (chip) emissor de luz (LED = Light Emitting Diode), quando estimulado eletricamente.
Não tem nada a ver com o LASER – que é uma luz monocromática. O LED consiste numa banda espectral estreita.

Faça Você Mesmo

Circuito LED

 

Quando surgiu o LED?

Inventado por Nick Holonyac, em 1963 (já faz um tempinho, não?). No início, só era usado como “sinal”, em rádios, televisores e outros equipamentos eletrônicos.
Aos poucos, foram surgindo outras cores (nos anos 60 e 70).
Nos anos 80, obtiveram níveis maiores de intensidade luminosa, sendo aplicado em lâmpadas na indústria automotiva.
No final dos anos 90, surgiu um LED com potência para iluminação, e foi crescendo até os dias de hoje, permitindo a substituição das lâmpadas convencionais.

 

Quais as vantagens do uso do LED?

• Maior vida útil
• Custos reduzidos: apesar do custo inicial ser ainda maior do que as lâmpadas convencionais, no longo prazo torna-se mais econômico.
• Maior eficiência
• Baixa voltagem de operação: segurança para o operador
• Maior resistência: a impactos e vibrações
• Controle da cor: ajuste adequado da “temperatura” da cor.
• Acionamento instantâneo: não há o “delay” das lâmpadas fluorescentes.
• Cores vivas e saturadas: torna as cores mais vibrantes.
• Ecologicamente correto: não utiliza mercúrio.
• Ausência de emissão ultravioleta: como ocorre nas luzes fluorescentes
• Ausência de emissão infravermelha: feixe luminoso frio.
• Dimerização: permite controle de intensidade de 0 a 100%.
• Efeito “flash”: permite o acendimento e o apagamento rápidos, sem detrimento de sua vida útil.

 

Qual a diferença entre LÚMENS e WATTS?

• LÚMEN (lm): é a quantidade de luz emitida por uma lâmpada – também chamado de “Fluxo Luminoso”. Quanto maior, mais luz é emitida pela lâmpada.
• WATT(w): referente ao consumo de energia – ou potência. Antigamente chamado de “Velas”. Não se refere somente à emissão de luz (um chuveiro também apresenta seus Watts de consumo e não emite luz).

Apesar de conceitos diferentes, ambos são importantes na escolha de uma lâmpada LED: busca-se a melhor iluminação com o menor consumo (mais Lúmens e menos Watts).

Podemos calcular a EFICIÊNCIA (ou RENDIMENTO) LUMINOSA, através da expressão (lm/w). Quanto maior esta relação, melhor a lâmpada (talvez você precise fazer a continha, pois nem sempre o rendimento vem expresso no produto).

 

Como escolher uma lâmpada LED?

Quantidade de iluminação: baseado no que você já utiliza, há uma tabela de equivalência entre as lâmpadas incandescentes e fluorescentes e a LED. Em geral, isso vem expresso na embalagem, mas, para se ter uma ideia, veja a tabela abaixo (os valores podem variar de acordo com o produto):
= 40 watt (incandescente) ≈ 6 watt (LED)
= 60 w ≈ 10 w
= 75 w ≈ 12 w
= 100 w ≈ 18 w

Faça Você Mesmo

Tipos de Lâmpadas LED

 

Voltagem: temos quatro opções de voltagem para os LED = 12 volts – 110 volts – 220 volts – bivolt.
Veja a tensão compatível com o local a ser usada. No Brasil, temos 110v e 220v, em geral. Na dúvida, procure as bivolt.
As de 12 volts são ótimas para instalações em “spots” nos tetos de gesso. Iluminação mais fraca e direcional.

Conectores: verifique qual o tipo de conector (soquete) você já dispõe em sua casa.
Existem vários tipos diferentes de soquetes. Os mais comuns são: MR16 (ou GU5.3), GU10, E27 e E14.
MR16 ou GU5.3 é usado em “spots”, com lâmpadas dicroicas.
GU10 em luminárias ou lustres.
E27 é o tipo comum de lâmpadas incandescentes.
E14 está presente em lustres e castiçais importados.
Na dúvida, leve a lâmpada antiga para comparar.

Faça Você Mesmo

Soquetes ou Conectores

 

Potência: melhor dizendo, Eficiência. Já discutimos anteriormente, na sessão “Lúmens e Watts”.

Cor da luz: as lâmpadas LED têm várias tonalidades de cor, em geral descritas como “fria” (branca ou azulada) e “quente” (mais amarelada). Também podem ser encontradas tonalidades neutras (ou naturais) – tom intermediário.
Para ambientes como escritório, banheiro, lavanderia e cozinha, prefira as “frias”.
Em dormitórios e ambientes mais aconchegantes, pode-se utilizar lâmpadas “quentes”.
Lâmpadas LED coloridas são interessantes em ambientes descontraídos e alegres, como áreas para festas, exteriores, “barzinho”, etc. Há quem as use como “cromoterapia”. Disponíveis nas cores azul, verde, vermelha e laranja.

Faça Você Mesmo

LED com controle de cores

 

 

faça você mesmo   

DICAS: 

 

  • Regra geral, 1 watt de LED equivale a 10 watt de lâmpada incandescente.
  • Para iluminar piscinas e jardins, temos lâmpadas LED adequadas para esse fim, que são resistentes à água e ao calor. Alguns modelos vêm equipados com célula solar (maior economia de energia!).
Faça Você Mesmo

Fitas de LED

  • Uma outra modalidade de iluminação LED é a FITA LED. São tiras de LED, disponíveis em várias tonalidades e algumas com variação de cor. As fitas podem ser simples ou com revestimento de silicone (para locais de umidade ou de exposição à água). Podem ser aplicadas em armários, gabinetes de cozinha, prateleiras, atrás de televisores, quadros, escadas, corrimões, corredores, etc.
Faça Você Mesmo

Aplicações de Fita LED

 

Faça Você Mesmo

Aplicações de Fita LED

 

Bom, agora você já é um PHD (especialista) em LED!
Use sua imaginação e criatividade, e mãos à obra!!

 

faça você mesmo 

 Que tal enviar um comentário sobre esse texto?

 

 

Você pode gostar também de...